Avianca Brasil encontra-se endividada e pode devolver aeronaves alugadas

Foto: Reprodução
- Publicidade -
Brisanet Interno

 

Ao menos duas empresas que arrendam aeronaves para a Avianca Brasil entraram na Justiça contra a companhia aérea para pedir a retomada dos aviões por falta de pagamento. No caso mais recente, a subsidiária irlandesa da BOC Aviation venceu, em primeira instância, processo contra a aérea para reaver dois Airbus A320-251N (neo). A Avianca recorreu da sentença.

O despacho da decisão, de 26 de novembro, autoriza “a requisição de reforço policial e ordem de arrombamento, se necessário”. O juiz Cesar Augusto Vieira Macedo negou pedido da Avianca para que o processo tramite em segredo de Justiça. Foi apurado que pessoas familiarizadas com a ação judicial que o pagamento não era feito havia pelo menos dois meses. O valor da causa é de R$ 3,5 milhões.

A empresa tinha, em junho, R$ 1,168 bilhão em dívidas com vencimento no prazo de até um ano, segundo as demonstrações contábeis apresentadas à Anac (órgão regulador do setor aéreo).

O capital circulante líquido na época era negativo. “Isso significa que a companhia tinha mais a pagar que a receber no período de um ano. O valor devido em empréstimos financeiros era alto”, diz Michael Viriato, professor do Insper.

“Parte dos R$ 306 milhões de financiamentos a pagar tinha juros de 7,2% ao ano mais o CDI [Certificado de Depósito Interbancário]. É uma taxa bastante elevada”, observa.

“Os arrendamentos se tornaram mais volumosos no último ano, e a dívida é elevada se comparada com o fluxo de caixa [até o segundo trimestre de 2018]”, afirma Marcos Piellusch, da FIA. Pelos seus cálculos, o Ebitda da empresa no segundo trimestre estava negativo em R$ 240,49 milhões.

A companhia já acumula prejuízos em vários trimestres de 2018. A saída cogitada se a situação se agravar é pedir a Recuperação Judicial, como forma de evitar uma possível falência, aliás, se a companhia está sem seus aviões é preciso cancelar os voos, causando uma série de problemas operacionais.

Pessoas ligadas ao setor aeronáutico dizem que a companhia aérea cogita pedir recuperação judicial nos próximos dias. Procurada, a Avianca Brasil negou que entrará em tal processo. A empresa afirma que “negociações fazem parte da rotina de qualquer empresa para otimização de resultados e […] que os processos estão evoluindo dentro das expectativas.”.

Aviões são apreendidos no Aeroporto de Brasília

Por determinação judicial, dois aviões da Avianca Brasil foram apreendidos na noite desta quarta-feira (5/12) no aeroporto internacional de Brasília. Oficiais de Justiça cumpriram decisão da 31ª Vara Cível de São Paulo em favor de uma das credoras da empresa aérea, a Boc Aviation Limited.

“Expeçam-se com urgência cartas precatórias de caráter itinerante para citação da ré e busca e apreensão dos bens descritos na petição inicial [aeronaves Airbus 320-251N, registros PR-OBQ e PR-OBR], bem como seus motores, outros equipamentos, itens e acessórios delas integrantes, e documentação completa”, informa a sentença.

Por meio de nota e procurada pela reportagem, a Avianca Brasil não menciona a reintegração de posse das aeronaves em Brasília e a decisão em favor da Constitution Aircraft . A companhia área também nega que possa entrar com o pedido de recuperação judicial para evitar a cobrança das dívidas pelos dois credores.